A Globo e o brado de Luciana Oliveira, a ativista milionária

A Globo e o brado de Luciana Oliveira, a ativista milionária

Luciana Oliveira dá resposta milionária à questionamento da Globo

Porto Velho, RO – O tiro saiu pela culatra. Qual adágio definiria melhor a campanha de “consciência político-social” promovida pela Rede Globo? Que Brasil você quer para o futuro? – questiona a emissora que, embora faça o possível e o impossível para transitar lá e cá com suas pautas liberais falseadas e abordagens de tabus em "programecos" de auditório, é, sabidamente, parte interessada nos negócios escusos travados à penumbra dos maiores encostos de Brasília.

Sou cético quanto acusações que tentam imputar ao monopólio televisivo dos Marinho a pecha ideológica em suas atividades; lá, como em muitas empresas mundo afora, pratica-se as exigências do mercado, a subserviência do capital. Claro, poder também faz parte – e é primordial.  

Dinheiro, poder e influência. É isso, nada mais!

E para que haja sincronia entre os interesses da corporação e a necessidade de postar-se como veículo de comunicação imparcial, proponente das grandes discussões brasileiras, entra em jogo o equilibrista: Ali Kamel, atual (e já antiguíssimo) diretor-geral de jornalismo.

E é por isso que, ao mesmo tempo em que o telespectador assiste a um Jornal Nacional completamente enviesado, politicamente falando, é claro, personagens secundários, terciários, quaternários – com protagonismo zero – ocupam cenários na emissora compondo um ambiente paisagístico étnico, pretensiosamente plural.

Logo, a programação é recheada de afrodescendentes, nordestinos, homossexuais, mulheres, uma garotada descolada na imprensa com camisetas geeks e de banda, transexuais, todos diluídos aqui, ali e acolá como se de fato tivessem voz. Enquanto isso, no epicentro das atividades jornalísticas, um âncora lê no prompter as notícias com aquele toque magistral de incoerência, contrariando todo o embusteiro que a Globo margeia.

Então, como disse lá em cima, o tiro saiu pela culatra. As pessoas passaram a aderir à campanha global, mas, grande parte delas, não quis enviar o vídeo à emissora: fez e divulgou por conta própria, através das redes sociais.

A Poderosa encontrou pela frente a milionária Luciana Oliveira, jornalista e ativista de Rondônia que, embora tenha passado por diversas redações em impressos e emissoras, encontrou na atividade independente o regozijo derradeiro, livre das amarras editoriais às quais, muitas vezes, somos obrigados a nos submeter, incluindo este que vos escreve.

Luciana é corajosa, inegavelmente. Espero que possam me perdoar pelo comentário sexista a seguir, mas a moça tem, reconheçamos, mais colhões do que muitos de nós.

LEIA TAMBÉM
O preço da indignação e as aulas de insensatez e ódio: censura quer calar mais uma jornalista à força

Ah, quase ia esquecendo...

Milionária não em posse, não em cifras bancárias. O vídeo-resposta de Luciana à campanha da Globo rendeu, até agora, 1,6 milhão de visualizações. Além disso, 56.668 compartilhamentos e, de quebra, 5,3 mil reações.

Isso representa pequena fatia de um riquíssimo patrimônio moral ainda incalculável, não corpóreo, distante dos dividendos colhidos nas transações que movem o jornalismo de Kamel e seus comandados. 

Com vocês, o brado opulento de Luciana Oliveira

Resultado de imagem para vinicius canova rondoniadinamica

Autor / Fonte: Vinicius Canova

Leia Também

Comentários