Confúcio, presidente da República?

 O Brasil iniciou a semana politicamente mais pobre. A desistência de Luciano Hulk de concorrer à presidência da República, frustrou a esperança dos brasileiros ter alguém, realmente novo, no processo eleitoral com chances de tirar as velhas e carcomidas raposas do poleiro.

Este foi o ato é o fato político mais relevante do momento.

Cidadão de vida estruturada e independente, o fato de Hulk ser trabalhador da já não tão amada Rede Globo, não desmerecia a intenção. A tentativa de demonização feita por Lula, já em queda, só energizaria embate.Agora o fanfarrão vai cantar vitória.

Com a saída do marido da Angélica de cena, o espaço fica por conta dos corruptos e viciados que transformarão o pleito presidencial de 2018 no mais apático da história brasileira.

 A abstenção sinaliza vir a ser maior que a votação. Fruto do desencanto e da rejeição a quem nada tem para oferecer em favor dos interesses dos cidadãos e do Brasil. A que só envergonha o povo brasileiro.

Já em Rondônia, o discurso do governador Confúcio Moura na inauguração do Hospital do Amor da Amazônia, defendendo as realizações do PMDB e de Michel Temer, enterra de vez a tese de áulicos que insistem em achar que ele deixará o partido de Ulysses Guimarães em busca de uma cadeira no Senado. Isso não ocorrerá nem que a vaca tussa.

Se fosse assim, porque Confúcio defenderia o seu velho MDB em evento derepercussão nacional? Não se iludam. O médico de Ariquemes não rasgará sua biografia partidária nem trairá o ideário que comungou com Jerônimo Santana, seu preceptor político.

Outro eflúvio decorrente da visita presidencial a Rondônia, é que ‘o melhor governador do Brasil’ na atual e adversa temporada de gestores públicos é sim, um grande ativo partidário que pode ser exibido para calar quem diz que o PMDB não deve nem falar em candidato à presidência da República no ano que vem. Embora tisnado, pode sim.

Tanto pode que o deputado federal Lúcio Mosquini não titubeou em lançar o candidato presidencial pelo o PMDB, durante a inauguração do hospital do senhor Prata. Quem? Confúcio Moura. A manifestação do parlamentar dá azo a outras ilações ocorridas recentemente, em esferas mais altasdo poder. Mas é só isso, ilações. O alvo é outro.

Se, o governo Federal conseguir emplacar as reformas pelas quais luta e o país tanto precisa, Temer colherá os frutos nos índices positivos de crescimento de todos os setores da economia, na volta do trabalhador aos empregos perdidos e no retorno do consumo interno.

Neste cenário, o PMDB terá candidato sim. Mas não será Confúcio. Será Michel Temer. Sim, ele mesmo! O presidente menos bem avaliado da história do Brasil, apesar de todas as negativas.

Foi por isso, senhores, que Moura fez seu discurso comparando o Brasil de antes com o de hoje, depois da atuaçãodo marido da 1ª dama mais jovem e mais bonita da República, dona Marcela.

Se vitoriosa a estratégia, o marido da doutora Alice, após eleito senador ou deputado federal, pelo PMDB, poderá virar ministro, sim. Das Cidades.

Mas se o quadro for ao contrário... bem, aí pode ocorrer o abraço de afogados entre o PMDB e o PT, como querem os santos Lula e Renan Calheiros. Ou afundam eles, ou afunda o Brasil.

OsmarSilva – Jornalista – Presidente da Associação da Imprensa de Rondônia-AIRON – sr.osmarsilva@gmail.com – sApp 069.99265.0362

Autor / Fonte: Osmar Silva

Leia Também

Comentários