Editorial – Que o TRE fique de olho: eles já estão saindo das cavernas à campanha antecipada em Rondônia

Editorial – Que o TRE fique de olho: eles já estão saindo das cavernas à campanha antecipada em Rondônia

A obra milionária do Novo Espaço Alternativo, tratada por pré-candidatos como “cereja do bolo”, já rendeu até prisão de políticos

Porto Velho, RO – Ainda que seja importantíssimo conhecer todos os nomes que integram a Administração Pública – tanto nas prefeituras quanto nos governos, é muito provável que inúmeras figuras públicas alocadas nos escalões de grande e médio porte nessas gestões não sejam identificadas pela população tão rapidamente, só pelas credenciais expostas no RG.

Isso porque a grande maioria não admite servir de vidraça enquanto exerce a função, optando pela discrição, silêncio diante de denúncias e caminhando somente através das sombras dos bastidores.

A hibernação geralmente dura até o ano eleitoral, onde, para quem deseja assumir um mandato, não há opções de conforto aos que gostariam de manter o aquartelamento à penumbra dos conchavos.

Não à toa quando se fala em política é natural esperar desempenho muito melhor daqueles que detém a máquina na mão após a apuração das urnas; quando são descartados mesmo com todo o poderio político-econômico à disposição, é porque de fato a coisa definhou até chegar ao estágio de putrefação e escárnio moral – pelo menos na grande maioria dos casos de derrota.

Aqui em Rondônia, a linha tênue que separa a propaganda institucional do marketing eleitoral antecipado está, aparentemente, sendo destroçada – rompida justamente por gente que, antes de anunciar pré-candidatura a isso ou aquilo, mantinha-se na miúda, quietinha e sem deixar com que a sociedade soubesse de sua existência em determinado corpo administrativo.

Chegado o ano eleitoral, superproduções publicitárias começam a brotar com roteiros bem elaborados, imagens cinematográficas, feitos heroicos e autopromoção a rodo, obviamente.

A Justiça Eleitoral compreende que os veículos de comunicação devam promover tratamento isonômico aos pretensos candidatos, e, no Planeta Dever Ser, a medida é ótima, eficaz e corretíssima.

Mas a compreensão de igualdade morre prematuramente no plano da realidade quando agentes públicos, a despeito de proliferar propaganda institucional fazendo com que os respectivos órgãos encarnem seus rostos e nomes, desfilam por aí naturalmente sem maiores preocupações escorados à ideia de impunidade, como se não contássemos com autoridades dispostas a impedi-los.

Por isso, o eleitor não deve se surpreender quando se deparar nas redes sociais com figurões posando para fotos e caminhando por obras faraônicas, há pouco consideradas verdadeiros troféus da corrupção, elefantes brancos que renderam não apenas a intervenção do Tribunal de Contas (TCE/RO) por sérias irregularidades constatadas, mas também condenações por improbidade administrativa e até prisões de mandatários.

Agindo ou não dentro dos parâmetros legais, esse tipo de veiculação esfacela qualquer parâmetro isonômico idealizado por nossos legisladores no âmbito eleitoral, não há dúvidas.

LEIA EM
Tudo o que você precisa saber sobre propaganda eleitoral antecipada

No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) denota-se que o modus operandi já desencadeado em Rondônia possivelmente trata-se de propaganda eleitoral antecipada porque, entre outros pontos, a Justiça Eleitoral informa que “[será] caracteriza propaganda eleitoral antecipada à veiculação de propaganda institucional com o propósito de relacionar programas da instituição com os programas do governo”.

É preciso ligar o sinal de alerta em volume máximo: eles já saíram das cavernas!

Autor / Fonte: Rondoniadinamica

Leia Também