Editorial – Sem Cassol e com Acir provavelmente fora do jogo, alianças apostam fichas em Expedito e Maurão de Carvalho

Editorial – Sem Cassol e com Acir provavelmente fora do jogo, alianças apostam fichas em Expedito e Maurão de Carvalho

Porto Velho, RO – O senador Ivo Cassol, do PP, já admitiu que está fora do baralho nas eleições deste ano logo após o Supremo Tribunal Federal (STF) bater o malhete – de forma definitiva – em relação à condenação que lhe fora imposta por fraude em licitação.

Com isso, as lideranças políticas, incluindo ele próprio, resolveram abrir alas ao ex-congressista Expedito Júnior, do PSDB. O comboio eleitoral em torno do tucano é maciço, consistente, e envolve gama considerável de expoentes partidários tanto na Capital quanto no interior de Rondônia.

Acir Gurgacz, outro pré-candidato forte à cadeira-mor no Palácio Rio Madeira, também está com problemas na Justiça, isto porque, assim como o progressista, fora condenado pelo STF.

Por ora, o PSB de Dr. Mauro Nazif e do atual governador Daniel Pereira aguarda pacientemente um status oficial acerca do registro de candidatura de Gurgacz. Se for avalizada pela Justiça Eleitoral, segue com ele; caso contrário, o projeto óbvio seria trabalhar pela reeleição de Pereira.

Quem sai ganhando com essas quedas, desencontros e diluições de apoio é o atual presidente da Assembleia Legislativa (ALE/RO), Maurão de Carvalho (MDB).

Primeiro pré-candidato confirmado ao Governo de Rondônia, e trabalhando desde cedo para chegar à chefia do Estado, o deputado circula pelos 52 municípios sem fazer alarde e reunindo gente disposta a abraçar sua candidatura, caso seja confirmada pelas convenções emedebistas.

As alianças apostam fichas altíssimas em Expedito e Maurão enquanto o PSB fica estagnado e submetido ao futuro do PDT.

Tirando Maurão, Expedito, Daniel e Acir, há as pré-candidaturas de Vinicius Miguel (REDE), Ivo Benitez (PSDC), Pedro Nazareno (PSTU), Paulo Benito (PT), Jackson Chediak (PCdoB), Zé Jodan (PSL), Pimenta de Rondônia (PSOL) – onze nomes no total.

Em 2014, somente cinco nomes disputaram voto a voto o Governo de Rondônia; logo, se as convenções estabelecerem oficialmente a candidatura de pelo menos oito pré-postulantes expostos até agora, a população terá à disposição uma pluralidade significativa e necessária à democracia, tornando o embate ainda mais acirrado.

Autor / Fonte: Rondoniadinamica

Leia Também

Comentários