Florestas protegidas - Rondônia e Pará desmataram mais do que a soma de todos os outros da Amazônia

 Estudo do Imazon aponta que, nos últimos cinco anos, unidades de conservação brasileiras perderam área equivalente a quase três vezes a da cidade de São Paulo

 

Homem corta árvore em floresta no Pará, um dos estados que lideram no desmatamento de unidades de conservação Foto: NACHO DOCE / Agência O Globo

RIO - Um estudo feito pelo Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) e que será apresentado na atual Conferência do Clima (COP24), na Polônia, mostra que o desmatamento no Brasil vem avançando mesmo sobre as unidades de conservação, teoricamente protegidas por lei.

Entre 2010 e 2012, foram 19 as Unidades de Conservação que sofreram redução de limite ou de proteção por conta de empreendimentos de geração ou transmissão de energia. A partir de 2012, com a aprovação do novo Código Florestal, que perdoava parte do desmatamento ilegal, a perda de vegetação nessas áreas protegidas avançou em ritmo recorde.

A região Norte concentra 340 unidades de conservação, e as mais atingidas foram as de Jamanxim e Triunfo do Xingu, no Pará, e as de Rio Pardo, Rio Preto-Jacundá e Jaci-Paraná, em Rondônia. Os dois estados desmataram mais do que a soma de todos os outros da Amazônia.

Estima-se que a criação e manutenção de Unidades de Conservação no Brasil previnem emissões anuais de pelo menos 2,8 bilhões de toneladas de carbono, o que colabora no combate às mudanças climáticas. As áreas protegidas também têm potencial turístico que poderia gerar um impacto econômico de aproximadamente R$ 2,2 bilhões, sendo capazes de acomodar 20 milhões de visitantes por ano.

Autor / Fonte: O Globo

Leia Também

 
Loading...

Comentários