Não há como ignorar a violência, que toma conta de nossas vidas

Não há como ignorar a violência, que toma conta de nossas vidas

O noticiário policial já ocupa a maior parte das capas dos principais jornais impressos (sim, eles ainda existem!) do país, mas também dos sites e TVs, que dominam hoje a mídia diária. Em cada região do Brasil, a realidade é essa. Aqui em Rondônia, são dezenas e dezenas de sites. Praticamente todos eles, se quiserem ter leitores, os sites e as TVs precisam ter um completo noticiário sobre a violência. As capas de dois dos principais deles (Rondônia Agora e Rondônia ao Vivo), nesta terça, apenas dois exemplos entre vários desses meios de mídia em Rondônia,  resumem muito bem a situação. Nos noticiários locais, nove em dez notícias que abrem as capas, são relacionadas a crimes, acidentes, mortes, sangue, tragédias. Nas TVs? O mesmo. O que faz a imprensa? Cria a notícia, a inventa? Nada disso. Apenas noticia e registra os fatos.  E o faz dentro do que seu leitor quer, porque senão não tem leitura e não tem audiência. Não é necessário aumentar nem exagerar. Cada notícia policial, por si só, já é tenebrosa o suficiente. E alimenta, infelizmente, o gosto de sangue na boca do leitor, que gosta disso sim, sem dúvida alguma. A violência se tornou trivial, como se fosse um ingrediente normal do  nosso dia a dia, fazendo-nos, a não ser excepcionalmente, imunes ao asco que isso deveria nos causar. Vivemos na violência. Então, como a mídia deveria ignorá-la?

Em toda a Rondônia, claro, a situação não é diferente.  A extrema violência  é notícia em Porto Velho, mas também é um destaque negativo na região do Vale do Jamary, no entorno de Ariquemes, onde as mortes voltaram a crescer, de forma assustadora.  Para se ter ideia da situação, a  média nacional de assassinatos é de  29 para cada grupo de 100 mil habitantes, a maior já registrada na história. Mas no Jamary, os números são muito piores e preocupantes, porque ainda maiores: em Ariquemes, a taxa de homicídios é de 47 assassinatos para cada grupo de 100 mil habitantes, 18 mortos a mais do que os apavorantes números nacionais. No mês passado, uma pessoa foi executada a cada três dias na cidade. No último final de semana, essa média aumentou: foram quatro assassinatos em menos de 72 horas. Está na hora do Governo do Estado intervir, com tudo, na segurança pública da região de Ariquemes. Aqui não é o Velho Oeste, onde o que predominava era a força das armas. Não dá mais para conviver com esses números apavorantes. E a mídia? Ela tem que servir o que o leitor quer. E o leitor quer é saber de violência. Infelizmente!

VERGONHOSA BAIXARIA

O jovem prefeito de Ariquemes, Thiago Flores, tem que conviver com a inveja e a baixaria. Está fazendo uma boa administração, representa uma nova safra de políticos de Rondônia, com um futuro promissor, mas seus adversários não conseguem conviver com o sucesso dele. Primeiro, foi no episódio dos livros em que o MEC quer ensinar crianças de seis anos sobre homossexualismo e sexo, que o Prefeito não topou, ouviu a comunidade e mandou retirar dos livros tais absurdos. A minoria ideológica (incluindo alguns poucos membros do Ministério Público), tentaram fritá-lo. Claro que o bom senso prevaleceu e não conseguiram. Agora, outros adversários partiram para a baixaria. Numa foto em que aparece um casal gay, um dos personagens tem alguma semelhança, embora distante, com o Prefeito. Bastou para que as calúnias chegassem às redes sociais. A coluna sugere ao Prefeito que contrate advogados competentes, que ele vai ficar rico só ganhando processos dos seus detratores. Porque os ataques e a vergonhosa baixaria, é claro, vão continuar. Quanto mais sucesso ele tiver, mais a inveja vai crescer...

PENDURANDO AS CHUTEIRAS?

De vez em quando, aparece na política uma figura diferenciada. Não é todo o dia. Mas aparece. O caso do deputado de terceiro mandato Lebrão, que representa a região do Vale do Guaporé, é sintomática para comprovar essa tese. Começou como vereador, foi vice prefeito, elegeu-se deputado e tem tido mandatos sempre recheados de bons projetos, de inovações, de busca de desenvolvimento para sua região. Acabou ajudando a eleger sua filha, apelidada de Lebrinha, como prefeita de São Francisco do Guaporé. Ela foi reeleita com a segunda maior votação proporcional em todo o país. Ou seja, a família vai muito bem na política, realizando trabalhos sérios e sempre longe dos tradicionais escândalos e rolos que caracterizam muitos representantes da classe política. Agora, a má notícia: Lebrão está pensando em não disputar um quarto mandato e pendurar as chuteiras. Vice-presidente da Assembleia, num mandato em que, em parceria com Maurão de Carvalho, tem feito a imagem do Legislativo estadual melhorar muito, Lebrão anda desgostoso, mas não abre o jogo sobre os motivos que o estão fazendo pensar em largar a política. Não se sabe se o fará, mas que está pensando, está sim...

TERRORISTAS Á SOLTA

No Domingo Espetacular, programa da SICTV/Record, um dos brasileiros acusados de ter ligações com o Estado Islâmico, aquele mesmo grupo de facínoras terroristas, que matam em nome de Alá, usando uma religião tão respeitada como escudo para suas bestialidades, acabou chorando. Chorou no depoimento perante a Justiça, porque, preso, não pôde ver a sua mãe, que mora no Japão e que o sustentava, com uma mesada de 3 mil reais por mês. Essa mãe, que lutava desesperadamente, trabalhando duro, para sustentar um vagabundo irresponsável, que nunca chorou pelas postagens radicais na internet e que, se não tivesse sido pego, poderia ter cometido atos brutais, inclusive durante a última Olimpíada no Brasil. Oito foram condenados na Lei Antiterrorismo, quatro respondem em liberdade e todos ainda podem recorrer. Ou seja, nada pagarão pelos crimes cometidos. Como todos os criminosos no Brasil, aqui as leis duras mesmo são só para punir os cidadãos que trabalham, que pagam seus impostos e são respeitados. Quando cometem algum erro, aí sim, sentem o braço pesado da lei. Já os terroristas...

O FIM DA AFTOSA

O deputado Luiz Cláudio da Agricultura tem tido um mandato extremamente produtivo, dedicando grande parte do seu trabalho no apoio ao agronegócio. É um parlamentar atuante, sempre envolvido até o pescoço em causas que possam representar avanços para o setor primário de Rondônia. Recentemente, ele anunciou mais uma boa notícia para os ruralistas do Estado. Em encontro da Comissão de Agricultura do Senado, recentemente, ele foi informado de um grande avanço para a pecuária do Estado, por decisão do Programa Nacional de Combate à Febre Aftosa. Segundo Luiz Cláudio, a partir de maio de 2019, ou seja, daqui a dois anos, Rondônia estará livre da aftosa sem vacinação. Isso representará um passo dos mais importantes, inclusive com uma valorização ainda maior, em todos os mercados (no internacional, principalmente), da nossa carne. A longa luta dos últimos governos e dos produtores, há vários anos, combatendo a aftosa e acabando com qualquer risco dela, valeu a pena.

TUCANOS ENLOUQUECERAM?

É o samba do crioulo doido! O PSDB decidiu não desembarcar do governo de Michel Temer (a posição do diretório regional de Rondônia foi voto vencido!), vai manter os ministérios, vai usufruir do poder, mas...vai recorrer da decisão do TSE que não cassou a chapa Dilma/Temer. Alguém entende essa posição do partido especialista em muro?  O discurso é de que o momento é de união, de apoio às reformas, de preocupação com os interesses maiores do País. Claro que não é, sabe-se. Os tucanos ficaram no governo porque querem estar também no poder e porque o PMDB acenou com a possibilidade de apoiar uma candidatura do PSDB à Presidência, em 2018. De outro lado, numa elucubração política incompreensível, a cúpula do partido e a maioria dos seus membros querem que o processo contra Dilma, que já caiu, mas que só pode prejudicar Temer, seja analisado pelo Supremo. Depois dizem que a culpa é do eleitor, que não sabe votar! Mas o que dizer de políticos que tomam  decisões esdrúxulas e incompreensíveis como essas?

CASO NÍCOLAS TEM CONDENAÇÃO

Sentença do final de março, mas só publicada agora no Diário Oficial da Justiça (por que essa demora?), condenou em primeira instância o Estado a indenizar a família do bebê Nícolas Naitz, cujo corpo desapareceu e que teria sido incinerado por engano. A morte foi em 22 de maio de 2014 e até agora não se sabe o que realmente aconteceu com o corpo da criança. Foi um caso rumoroso, denunciado pelos pais da criança à SICTV/Record, que produziu uma série de reportagens sobre o evento e investigou tudo profundamente. Depois, outros veículos de comunicação também denunciaram a morte e o sumiço do corpo da criança. O juiz Edenir Albuquerque da Rosa, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Velho, condenou o Estado de Rondônia a pagar 90 mil  reais à família do bebê desaparecido. O Hospital Regina Pacis, que também foi acionado pela família, foi totalmente absolvido no episódio. Na decisão, o magistrado considerou que a privação da família em velar a criança, gerou grande drama familiar, frustração e dor. Só por esse fato o Estado foi condenado. Cabe recurso.

PERGUNTINHA

Será verdade que o desemprego no Brasil começa mesmo a cair a partir de agosto, como diz a equipe econômica do Governo Federal, apesar dos índices da economia não apontarem, até agora, nenhum indício concreto nessa direção?

Autor / Fonte: Sérgio Pires

Leia Também

Comentários