Opinião - Aumento no preço do litro da gasolina revolta a população em Porto Velho

Opinião - Aumento no preço do litro da gasolina revolta a população em Porto Velho

 O Brasil continua sendo um País do faz de conta e Rondônia, que faz parte dele uma terra onde, ainda, impera a Lei dos mais fortes, e sempre o povo majoritário, fica no prejuízo. Exemplo mais recente é o aumento em cerca de R$ 0,40 no preço do litro de gasolina do dia para a noite, como se o comércio de combustíveis seja uma atividade privada. O petróleo é explorado pelo governo, e lógico, com o dinheiro do povo.

Na última semana o Programa de Proteção, Orientação e Defesa do Consumidor (Procon) iniciou um trabalho na capital e no interior, notificando proprietários de postos de combustíveis a apresentarem notas fiscais de compra dos produtos junto as distribuidoras e a planilha de preços praticada nos primeiros meses deste ano. A ação foi motivada devido as constantes denúncias de abusos praticados no segmento.

Até o início desta semana era possível encontrar gasolina em Porto Velho a R$ 3,90 o litro. Após a ação do Procon na última semana veio “o troco” dos proprietários de postos de combustíveis e na noite de terça-feira (19) para a manhã do dia seguinte o aumento nas bombas de combustíveis em torno de R$ 0,40 por litro.

Os deputados estaduais que iniciaram os trabalhos legislativos esta semana debatendo um assunto da maior importância, que é o aumento absurdo no preço do kWs de energia elétrica praticado pela nova concessionária, a Energisa devem priorizar, também, a elevação autoritária e abusiva do preço do litro de combustíveis esta semana. O sindicato da categoria, que já foi denunciado várias vezes pela prática de cartelização deve ser questionado pelos deputados, vereadores, prefeitos e a bancada federal.

A pressão sindical para a cartelização no preço dos combustíveis em Rondônia foi amenizada, recentemente, porque uma empresa atacadista de outro Estado, que não depende do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Rondônia-Sindipetro passou a vender combustíveis a preços mais baixos, que os demais. Isso forçou os proprietários de postos à competição e o Sindipetro reduziu a pressão, mas ela continua, inclusive desafiando o Procon, como aconteceu esta semana.

Rondônia é um Estado jovem, que completou em janeiro último 37 anos de emancipação político-administrativa e que está passando por uma transformação econômico-social com a chegada de um novo Eldorado, que é a produção de grãos, que teve início pelo Cone Sul e agora está ganhando mais espaço, a cada dia, na região de Ariquemes. O Estado precisa de ousadias em investimentos e não de exploração absurda como um aumento de combustíveis desta semana, assim como foi o kWs da energia elétrica.

Além dos deputados estaduais, bancada federal, prefeitos e vereadores, o Ministério Público (MP) deve abrir uma linha de investigação e posteriormente denunciar os infratores ao Poder Judiciário. O Procon precisa manter fiscalização permanente e não vez em quando, e os postos distribuidores de combustíveis fiscalizados com regularidade pelo Instituto de Pesos e Medidas (Ipem), porque também há denúncias de “batismo” nos combustíveis e irregularidades da litragem nas bombas.

Autor / Fonte: Waldir Costa / Rondônia Dinâmica

IDETRO WORKSHOP

Comentários

Leia Também

 
Loading...