Opinião - Parceria PDT e PSB formatada com Daniel na cabeça

Opinião - Parceria PDT e PSB formatada com Daniel na cabeça

 O quadro político para as eleições gerais (presidente de República, governadores, duas das três vagas ao Senado e deputados (federais e estaduais) aos poucos vai se desenhando. Lula, Bolsonaro, Álvaro Dias, Geraldo Alckmin, João Dória são alguns nomes que despontam no cenário nacional, mas o importante para Rondônia é o quadro local.

Nomes conhecidos do eleitor de Rondônia estão se preparando enfrentar as urnas em outubro próximo. Alguns já trabalhando, pois se lançaram como pré-candidatos, como o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) e o presidente da Assembleia Legislativa (Ale), Maurão de Carvalho (PMDB-Andreazza).

Outros nomes foram apresentados e já estão em busca do apoio popular, como os casos do advogado Jackson Chediak, do PCdoB; Pimenta de Rondônia pelo Psol e o senador Ivo Cassol (PP-RO), que mesmo estando inelegível disse que irá concorrer a governador, cargo que ele ocupou em Rondônia em dois mandatos seguidos.

Agora surge uma nova aliança que deverá “esquentar” a política no Estado. É a disposição do vice-governador Daniel Pereira (PSB), que assumirá o governo do Estado em março próximo, porque o governador Confúcio Moura (PMDB) pretende disputar cargo eletivo nas eleições deste ano provavelmente uma das duas vagas ao Senado.

Assumindo, Daniel tem condições de candidatar-se à reeleição. Pessoas ligadas a ele garantem que Daniel, caso assuma será candidato em uma ampla parceria com Acir Gurgacz. É aí que está a novidade.

No caso de Daniel assumir o governo, o senador Acir, pré-candidato ao governo abriria mão da candidatura e indicaria o vice, no caso a vereadora mais bem votada de Ji-Paraná, Sílvia Cristina (PDT), pessoa de extrema confiança do empresário-senador.

Caso isso venha a se confirmar, o que não é improvável, os indicativos são de disputa ferrenha pela sucessão de Confúcio, com Acir,que é jovem aguardando as eleições de 2022, já que não teremos mais reeleição e disputar o governo do Estado em condições extremamente favoráveis, lógico, dependendo do desempenho de Daniel, caso se reeleja.

O quadro sucessório aos poucos vai mudando e se encaixando na realidade política estadual. A ousadia de Daniel com apoio de Acir demonstra que a oposição se preocupa com o PMDB (que em breve voltará a ser MDB), que tem Maurão de Carvalho à frente. É o grupo mais forte, politicamente de Rondônia e que, inclusive, tem o maior número de deputados na Ale.

Como já dizia Magalhães Pinto, ex-governador de Minas Gerais e banqueiro: “política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já muda”. 

Autor / Fonte: Waldir Costa / Rondônia Dinâmica

Leia Também