Presidente da Audi é preso na Alemanha

Presidente da Audi é preso na Alemanha

O presidente da automobilística Audi, Rupert Stadler, foi preso nesta segunda-feira (18) em meio às investigações sobre o escândalo da manipulação das emissões de veículos a diesel do grupo Volkswagen, do qual a Audi faz parte.

A prisão ocorreu uma semana após os promotores de Munique realizarem buscas na residência de Stadler. Ele é acusado de fraude e falsificação de documentos que permitiram que veículos a diesel equipados com dispositivos de adulteração dos dados das emissões de gases poluentes fossem comercializados no mercado europeu. A promotoria afirmou que a prisão foi necessária para evitar "risco de ocultação de provas".

A Audi confirmou a prisão de Stadler sem fornecer maiores detalhes, afirmando apenas que "a presunção de inocência continua a ser aplicada" no caso do chefe da empresa. Um total de 20 funcionários da automobilística são suspeitos de envolvimento no escândalo.

Stadler é a figura de maior importância a ter sua prisão decretada como resultado do escândalo iniciado em 2015, quando a Volkswagen admitiu ter equipado em torno de 11 milhões de veículos em todo o mundo com um dispositivo de adulteração dos dados das emissões de poluentes.

A Audi estava sob suspeita de que seus engenheiros teriam desenvolvido o software utilizado pelas empresas do grupo Volkswagen. Em setembro de 2017, o chefe do departamento de desenvolvimento de motores da subsidiária foi detido.

No início deste mês, as autoridades alemãs ordenaram o recall de em torno de 60 mil modelos a diesel Audi A6 e A7 em toda a Europa para a remoção do software ilegal, que utilizaria uma tecnologia diferente da que foi descoberta no início do chamado "dieselgate".

O ex-chefe da Volkswagen Martin Winterkorn renunciou ao cargo após o escândalo vir à tona, em setembro de 2015, sendo substituído pelo ex-presidente da Porsche – marca que também pertence à Volks – Matthias Müller. Ambos são suspeitos de terem conhecimento dos fatos antes de admitirem as adulterações, o que significaria que eles não informaram investidores da empresa sobre os riscos financeiros.

Winterkorn foi indiciado por promotores americanos no mês passado. Eles acreditam que o ex-chefe da VW sabia das adulterações já em maio de 2014, e teria permitido a continuação das práticas ilegais. Müller acabou deixando a presidência do grupo em abril deste ano, sendo substituído pelo ex-executivo da BMW Herbert Diess.

O escândalo já gerou prejuízos de mais de 25 bilhões de euros à Volkswagen em recompras, multas e indenizações. A empresa ainda é alvo de processos tanto na Alemanha quanto no exterior.

Autor / Fonte: dw.com

Leia Também

Loading...