Sistema Estelar com cinco planetas rochosos é descoberto por astrônomos amadores

Pela primeira vez na história, uma equipe de cientistas cidadãos amadores reunida por crowdsourcing descobriu um sistema multiplanetário. Localizado a 620 anos-luz de distância, ele contém cinco exoplanetas, possivelmente um sexto, e maioria deles seria uma "super-Terra".

Ele é chamado de K2-138, em que "K2" significa que ele foi descoberto pelo Telescópio Espacial Kepler, durante sua missão K2 — uma caça por exoplanetas que já acontece há três anos. A estrela em si é uma sequência principal estelar da classe K, ou anã laranja, um tipo de estrela que apresenta massas entre 0,45 a 0,8 vezes a do Sol.© Fornecido por F451 Midi Ltda.

Todos os cinco planetas confirmados estão em uma órbita aperta, próximos da estrela, apresentando períodos orbitais entre 2,35 a 12,76 dias. O planeta mais distante, o K2-138f, é um décimo da distância da Terra para o Sol. Os planetas, todos rochosos, têm de 1,6 a 3,3 vezes o raio da Terra, o que os classifica como super-Terras. Devido à sua proximidade com a estrela anfitriã, esses planetas são, quase certamente, inabitáveis.

Esses planetas também estão em uma configuração orbital organizada chamada de "ressonância", em que cada planeta leva 50% mais tempo para completar uma órbita completa em relação ao planeta seguinte.

O K2-138 não é nenhum TRAPPIST-1 — um sistema estelar que consiste de sete planetas do tamanho da Terra, incluindo três localizados dentro da zona habitável —, mas é uma descoberta legal, ainda assim. Ele nos mostra mais uma maneira como os sistemas estelares podem estar configurados. Mas a história de como o K2-138 foi descoberto também é bem interessante.

O sistema multiplanetário foi detectado como parte do projeto Exoplanet Explorers, que usa a plataforma online Zooniverse e dados do Telescópio Espacial Kepler, da NASA. O Kepler trabalha medindo o brilho das estrelas. Astrônomos, sejam eles profissionais ou amadores, observam essas medições na esperança de encontrar quedas de brilho na luminosidade de uma estrela. Essa queda normalmente indica que um objeto grande, mais especificamente um exoplaneta, passou em frente a ela. Nos últimos três anos, o Kepler registrou dados de 287.309 estrelas, um número que sobe em dez mil de poucos meses em meses. Conhecido como o conjunto de dados C12, isso representa uma quantidade enorme de dados para os cientistas analisarem. E é aí que o Exoplanet Explorers — com a ajuda de cientistas cidadãos — entra na história.

O Exoplanet Explorer, fundado pela pesquisadora da Caltech Jessie Christiansen, foi lançado em 2017, atraindo milhares de cientistas cidadãos para a causa. Recentemente, a Australia Broadcast Corporation apresentou um programa de três partes chamado Stargazing Live. Os membros da audiência eram encorajados a participar, analisando os dados em busca de exoplanetas candidatos.

"Pessoas de todas as partes podem entrar e aprender como são sinais verdadeiros de exoplanetas, olhando então para dados coletados do telescópio Kepler para votar em classificar ou não tal sinal como 'em trânsito' ou apenas ruído", explicou Christiansen em um comunicado. "Temos cada sinal potencial de trânsito observado por, no mínimo, dez pessoas, e cada um deles precisa de uma porcentagem mínima de 90% votos 'sim' para ser considerado para mais estudos."

Durante a série Stargazing Live, resultados de mais de dez mil telespectadores foram coltados pelo Exoplanet Explorers. Christiansen, junto com o astrônomo da Universidade da Califórnia em Santa Cruz Ian Crossfield e Geert Barentsen, astrônomo da NASA, examinaram os dados recebidos, resultando em vários novos candidatos, incluindo 44 planetas do tamanho de Júpiter, 72 do tamanho de Netuno, 44 do tamanho da Terra e 53 chamados de "super-Terras", que são maiores do que a Terra, mas menor do que Netuno.

"Queríamos encontrar uma nova classificação que fosse legal de anunciar na noite final, então estávamos, inicialmente, revirando os planetas candidatos para encontrar um na zona habitável, a região em torno de uma estrela em que a água em estado líquido poderia existir", disse Christiansen. "Mas isso pode levar um tempo para validar, para se certificar de que é um planeta de verdade, e não um alarme falso. Então, decidimos procurar por um sistema multiplanetário, porque é muito difícil receber um sinal falso de vários planetas."

E é exatamente isso que eles fizeram — detectaram uma estrela com quatro planetas orbitando em torno dele. Três desses receberam votos de "sim" de todos os participantes, enquanto o quarto planeta teve 92%. Depois desse estágio, os cientistas prosseguiram estudando o sistema, encontrando um quinto planeta, além de indícios de um sexo planeta. Ele é agora o primeiro sistema multiplanetário descoberto completamente por meio de crowdsourcing.

Parabéns, cientistas cidadãos! Façam mais isso, por favor. Precisamos encontrar ainda mais planetas. E quem sabe na próxima vez os planetas serão mais... hospitaleiros.

O estudo subsequente foi aceito para publicação na The Astronomical Journal, mas uma pré-impressão pode ser encontrada no arXiv.

https://www.msn.com/pt-br/noticias/ciencia-e-tecnologia/sistema-estelar-com-cinco-planetas-rochosos-é-descoberto-por-astrônomos-amadores/ar-AAuDy0L?li=AAggV10

Autor / Fonte: Gizmodo George Dvorsky

Leia Também