Um Sete de Setembro para Nicolas Naitz

Um Sete de Setembro para Nicolas Naitz

Porto Velho, RO – Nesta mesma semana Marciele Naitz Sampaio Pereira foi da decepção à euforia em menos de 48h.

Mãe do bebê Nicolas Naitz, desaparecido há mais de quatro anos  em uma caso ainda cheio de mistérios, Marciele está, conforme noticiou a coluna “O Espectador” em julho deste ano, respondendo à ação de indenização por danos morais movida pelo Hospital Regina Pacis.

RELACIONADAS

A maternidade pede à Justiça uma compensação de R$ 20 mil; a instituição alega abalos em sua reputação por conta de postagens críticas proferidas pela mãe da criança nas redes sociais.


Regina Pacis não quer saber de acordo / Divulgação

Na última quarta-feira (05), Marciele esteve em Porto Velho e compareceu à audiência de conciliação no Poder Judiciário a fim de tentar chegar a um denominador comum com o nosocômio: não deu certo. O Regina Pacis não quer saber de acordo e, por conta disso, o processo fluirá conforme os ditames da lei.

A redenção

A má notícia não teve tempo suficiente para mexer com as estruturas de Marciele, pois, no dia 07 de Setembro, comemoração da Independência do Brasil, a comunidade de Cujubim, município a cerca de 220 km da Capital, mobilizou-se para fazer um belíssimo desfile em prol de Nicolas Naitz.

A campanha “Todos por Nicolas Naitz” foi a tônica da fanfarra da escola municipal Antônio Frederico de Castro Alves; dos membros da Igreja Adventista do 7º Dia, além da sociedade em geral que compareceu em peso à marcha.

E AINDA

 

Exemplos de apoio não faltam: Leonir da Silva Pereira da Cruz, diretora do Ministério da Mulher da Igreja Adventista Central; o pastor Lucas de Oliveira, da mesma congregação; Ricardo Alexandre Santana,  instrutor da Banda de Desbravadores Raios de Sol; a empresária Rosimeire Godoy, o professor Charles Gonçalves Delfino e o fotógrafo Jeferson de Oliveira Ferreira estiveram lá, lado a lado, endossando a manifestação pró-Nicolas ao lado de sua mãe. Até o ex-prefeito Fábio Patrício Neto participou do evento.

No fim, a data comemorativa encaixou como uma luva à garra e à persistência da mulher que, há mais de 1400 dias, não deixa de pensar um só segundo no primogênito.

Sem ajuda do poder público, longe do auxílio das autoridades, distante dos olhos dos políticos e ainda processada por não aceitar perder o filho nas circunstâncias em que tudo ocorreu, Marciele, na sua estafante batalha cotidiana por respostas enfrentando tribunais, hospitais, a força do dinheiro e o próprio Estado de Rondônia, é o retrato fiel da independência.

Confira imagens do 7 de Setembro em Cujubim
Fotos por: Jeferson de Oliveira Ferreira































Autor / Fonte: Rondoniadinamica

Leia Também